quinta-feira, 17 de abril de 2008

De madrugada

(…)
― E o que é que andas a fazes?
― Vou para casa. E tu?
― Estou a beber uns copos!
― Fazes bem. Eu também, mas decidi dar a minha noite por terminada.
― Dorme bem, que eu já estou a ficar dormente ;)
― Então tem cuidado, não quero que faças parte dos 23%… E já agora, sonha com os anjos.
― Os anjos?!
― Se preferires uma “anja”…
― Tu?
― Porque não? Embora ache que seria mais um monstrinho.
― Lá estás tu!
(silêncio)
― Apetece-te andar de carro sem perguntas?
― Isso é um convite?
― Já bebi um bocado.
E sim, é um convite.
― Estou em casa. Demoras?
― És doida?
― Sou... Ou se calhar nunca estive tão lúcida.
― Estou a chegar. Conduzes tu!
― Isso é a sério?
― Já estou à espera.

― Olá.
― Somos os dois doidos!
(sorrisos)
― Vamos no meu carro?
― Mas já estamos aqui…
― Sim, mas prefiro levar o meu, sinto-me mais à vontade.
― Estás nervosa!
― … (silêncio)
(…)
― Olha, podes fazer uma pergunta que eu deixo!
― Não. O combinado foi sem perguntas, por isso ficamos assim…
― (gargalhada) És um espectáculo, devias ser psicóloga.
(…)


E assim ficaram. Naquele momento outras vontades se impunham e as perguntas ficariam para uma outra oportunidade (se alguma vez acontecesse)...

free music

4 comentários:

Rosa Negra disse...

E aconteceu ?

mcg disse...

Nem imaginas como eu gostava de saber, Rosa Negra, nem imaginas...

Viajante disse...

Hmmmm
Conta a verdade ;)

mcg disse...

Pois a verdade está toda lá. Sem tirar nem pôr...